Desentendimentos na família, falta de dinheiro para as custas processuais, indisposição pela tristeza excessiva da perda de um parente ou até mesmo desconhecimento sobre o tema. No Brasil, esses são os principais motivos para a não realização do processo de inventário. Contudo, as consequências legais de não realizar o procedimento acabam por fazer com que os familiares do falecido se perguntem “Não fiz o inventário. E agora?”.

não-fiz-o-inventario

Na conversa de hoje falaremos mais sobre o que é o inventário, quais as consequências de não fazer inventário e o que deve ser feito nessa situação. Quer saber mais sobre esse tema? Venha conosco!

O que é inventário? Como funciona?

não-fiz-o-inventario

Antes de respondermos a pergunta “Não fiz o inventário: e agora?”, é importante esclarecermos sobre o que se trata esse instrumento jurídico.

Sempre que há o falecimento de uma pessoa que deixa bens, é preciso realizar um processo conhecido como inventário, que consiste no levantamento de todos os bens e dívidas do falecido.

É por meio desse instrumento jurídico que os bens são avaliados, listados e divididos entre os sucessores.

Ou seja, a abertura de um inventário é requisito fundamental para registrar os bens do falecido em nome de seus herdeiros.

Há dois tipos de inventário: judicial ou extrajudicial (feito em cartório). Contudo, o inventário extrajudicial exige que os herdeiros sejam maiores e capazes, estejam em consenso entre si e que haja a presença de um advogado.

Em ambas as modalidades, é importante que o inventário seja aberto dentro de 60 dias após o óbito. Contudo, é importante lembrar que o inventário extrajudicial sempre é o mais rápido, visto que não requer a intervenção do Poder Judiciário.

Durante o processo, é nomeado um inventariante, cuja responsabilidade é administrar o inventário e prestar contas aos demais herdeiros.

É durante o inventário que os herdeiros pagam o ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação), um tributo que incide sobre bens herdados ou doados. No entanto, é importante lembrar que, ao tirar suas dúvidas com um advogado, é possível pagar menos no imposto ou mesmo conseguir isenção.

Após a conclusão do levantamento realizado pelo inventário e da consequente partilha de bens entre os herdeiros, estes poderão registrar os bens oficialmente em seus nomes, oficializando desta forma o processo de sucessão.

Não fiz o inventário: e agora?

não-fiz-o-inventario

Também é muito importante que os herdeiros saibam as consequências de não fazer inventário, pois a não realização deste procedimento pode causar diversos problemas a todos os envolvidos. Conheça algumas dessas consequências a seguir:

1 – Multas: Caso o inventário não seja realizado em até 60 dias após o óbito, há previsão de multa sobre o ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação). Se o inventário não for iniciado em até 60 dias, o imposto será calculado com multa de 10%. Caso o atraso seja superior a 180 dias, a multa aumenta para 20% do valor do ITCMD.

2 – Desentendimentos familiares: A não realização do processo de inventário e partilha dos bens aos herdeiros causa inconvenientes que podem surgir não de imediato mas posteriormente. Por exemplo, ainda que os herdeiros inicialmente estejam de acordo com a não realização da partilha legal, com o passar do tempo é possível que algum herdeiro que recebeu menos se sinta prejudicado, gerando conflitos.

3 – Impossibilidade de venda dos bens: Ao não fazer inventário, os bens do parente falecido não são transmitidos aos herdeiros, que ficam impossibilitados de registrar os bens em seu nome até que o inventário seja realizado. Por não ter a posse dos bens, processos como a venda de imóveis herdados se tornam inviáveis.

Ao descobrirem que não podem sequer vender um imóvel do parente falecido por conta da não realização do inventário, é comum que os herdeiros se deparem com a pergunta “Não fiz o inventário. E agora?”

Não fiz o inventário no momento certo. Como o advogado pode me ajudar?

não-fiz-o-inventario

Para as famílias que por algum motivo ainda não fizeram o inventário, a melhor solução é realizar o procedimento o quanto antes, a fim de evitar mais transtornos e o aumento das dívidas. Inclusive, a depender do caso, é possível diminuir ou mesmo eliminar as despesas do inventário.

O inventário pode ser feito de forma planejada, com o próprio advogado especialista em direito sucessório realizando a previsão dos custos. Além disso, dependendo dos bens envolvidos no processo e da renda familiar, é possível conseguir a isenção dos custos do inventário. Resumidamente, caso a família comprove que não possui renda suficiente e que o patrimônio do falecido está avaliado abaixo de determinado valor, é possível que a família tenha isenção de imposto e de custos com o cartório.

Com o falecimento de um parente, a medida mais recomendada é tirar suas dúvidas com um advogado especialista em inventário e herança o mais cedo possível. Tal urgência se deve à necessidade de abertura do inventário e do pagamento do ITCMD dentro do prazo de 60 dias a fim de evitar multas.

O advogado é o profissional adequado para apoiar a família nesse momento tão difícil, tirando dúvidas, resolvendo conflitos entre os familiares e garantindo que todos os herdeiros recebam o que lhes é de direito.

Além disso, o advogado especialista pode reduzir consideravelmente a incidência de impostos como o ITCMD ou mesmo conseguir sua isenção, permitindo que a família aproveite uma quantia maior do patrimônio deixado, além de evitar burocracias nesse momento tão difícil.

Por conta da relevância desse profissional, torna-se importantíssimo buscar por um advogado com experiência no assunto. Escritórios como a Maviene Advogados possuem uma visão mais ampla sobre o tema, possibilitando uma assessoria completa em dúvidas referentes aos processos pós-morte.

Tem ou ficou com alguma dúvida sobre o que fazer em caso de não realização do inventário? Tire suas dúvidas conosco e saiba mais sobre seus direitos! Confira mais dicas de Direito Imobiliário no nosso Blog e siga nossa página no Facebook! Até mais!

Fiz um inventário e descobri novos bens após a partilha. O que devo fazer?

Inventário e Testamento 20 dezembro, 2023
O inventário, apesar de ser extremamente necessário para o processo de sucessão de bens, tende...
imovel-sem-escritura

Meu pai faleceu e deixou um imóvel sem escritura: Posso fazer inventário?

Herança, Inventário e Testamento 16 novembro, 2023
Em muitos de nossos artigos, ressaltamos a importância do inventário. Contudo, frequentemente recebemos dúvidas sobre...

DIREITO IMOBILIÁRIO

Baixe nosso ebook gratuito e conheça todos os seus direitos como comprador!

BAIXAR AGORA

Preencha os dados e receba em seu e-mail

Após preencher os dados abaixo, clique no botão para receber o seu ebook gratuito.

li{display:block;padding:0;width:100%;padding-top:0}.inputs-list label{display:block;float:none;width:auto;padding:0;line-height:18px;text-align:left;white-space:normal;font-weight:normal}.inputs-list:first-child{padding-top:6px}.inputs-list>li+li{padding-top:2px}ul{list-style:none}.field{margin-bottom:18px}.hs-field-desc{color:#7c98b6;margin:0px 0px 6px;font-size:14px;font-family:"Helvetica Neue",Helvetica,Arial,sans-serif}.hs-form-required{color:red}.hs-richtext{margin-bottom:3px;font-family:"Helvetica Neue",Helvetica,Arial,sans-serif;line-height:24px;font-size:14px;color:#33475b}.hs-richtext hr{text-align:left;margin-left:0;width:91%}.email-correction,.email-validation{padding-top:3px;font-size:12px;font-family:"Helvetica Neue",Helvetica,Arial,sans-serif}.email-correction a,.email-validation a{cursor:pointer}@media (max-width: 400px), (min-device-width: 320px) and (max-device-width: 480px){.email-correction form .form-columns-2 .hs-form-field,.email-correction form .form-columns-3 .hs-form-field,.email-validation form .form-columns-2 .hs-form-field,.email-validation form .form-columns-3 .hs-form-field{float:none;width:100%}.email-correction form .form-columns-2 .hs-form-field .hs-input,.email-correction form .form-columns-3 .hs-form-field .hs-input,.email-validation form .form-columns-2 .hs-form-field .hs-input,.email-validation form .form-columns-3 .hs-form-field .hs-input{width:90%}.email-correction form .form-columns-2 .hs-form-field input[type="checkbox"],.email-correction form .form-columns-2 .hs-form-field input[type="radio"],.email-correction form .form-columns-3 .hs-form-field input[type="checkbox"],.email-correction form .form-columns-3 .hs-form-field input[type="radio"],.email-validation form .form-columns-2 .hs-form-field input[type="checkbox"],.email-validation form .form-columns-2 .hs-form-field input[type="radio"],.email-validation form .form-columns-3 .hs-form-field input[type="checkbox"],.email-validation form .form-columns-3 .hs-form-field input[type="radio"]{width:24px}}n","time":1525966052030,"rumServiceResponseTime":5267.300000006799,"rumTotalRequestTime":320.7000000111293,"api":{"id":"72dec4d7-6d37-4958-8671-872cfa0d08ce"},"correlationId":"4f757a6e-6333-49bb-8e41-e9df9f0018cb","rumScriptExecuteTime":4943.599999998696},"target":"#hbspt-form-1525966055874-5695605119","shellId":0,"shell":true,"pageUrl":"http://rendera.herokuapp.com/","pageTitle":"Page","referrer":"http://rendera.herokuapp.com/","redirectUrl":"https://mavieneadvogados.com.br/wp-content/uploads/2018/05/ebook_maviene_imobiliario.pdf"},"recentFieldsCookie":{},"boolCheckBoxFields":"","dateFields":"","redirectUrl":"https://mavieneadvogados.com.br/wp-content/uploads/2018/05/ebook_maviene_imobiliario.pdf","smartFields":{},"urlParams":{},"formValidity":{},"formTarget":"#hbspt-form-1525966055874-5695605119","correlationId":"4f757a6e-6333-49bb-8e41-e9df9f0018cb","disableCookieSubmission":false,"usingInvisibleRecaptcha":false,"isFallback":false}" data-reactid=".hbspt-forms-0.4">

You have Successfully Subscribed!

Preencha os dados e receba em seu e-mail

Após preencher os dados abaixo, clique no botão para receber o seu ebook gratuito.

Formulário será aqui!

You have Successfully Subscribed!

Abrir Whatsapp
Precisa de Ajuda?
Olá 👋 Posso te ajudar? Se tem alguma dúvida sobre seus Direitos é só enviar uma mensagem 😉